•  Konrad Black

“Como vidro líquido em seus ouvidos; a luta entre a luz interior e a escuridão externa desenterra momentos de beleza nos cantos de nossa consciência coletiva. Nós escolhemos viver nossas vidas, à noite, e adorar a música, como o sol”.

Como parte da primeira onda de produtores norte-americanos a se infiltrar no moderno movimento techno de Berlim, Konrad Black é dono de produções sombrias, mas também exerce força na cena o seu forte carisma. Seu som característico é uma obra-prima, de contradições harmoniosas e cinematográficas, linhas de baixo apocalípticas e sintetizadores temperamentais e atraentes.

Apesar de ter iniciado na cena drum and bass, que definiu sua formação como produtor, Konrad mostra sua evolução inspirado por artistas como Maurizio e Basic Channel, álbuns como “Consumed”, da Plastikman, e selos como Perlon e Playhouse.

Ainda em Vancouver, sua cidade natal, Konrad juntou forças com Mathew Jonson, Graham Boothby e Jesse Fisk para formar o aclamado selo “Repair Wagon”. A partir daí, com lançamentos como “Draconia” e “Medusa Smile”, Black começa a chamar a atenção de formadores de opinião como Ricardo Villalobos, Tiga e Richie Hawtin.

Já residindo em solo alemão, o artista é convidado para tocar em cobiçados clubes da cena europeia, incluindo Fabric em Londres, Rex em Paris, Space em Ibiza, além de regularmente marcar presença no lendário Panorama, em Berlim.

O que começou efetivamente como uma série de shows, tornou-se em uma longa década de turnês mundiais e passagem por lugares como Womb em Tóquio, Goa em Roma, Arma 17 em Moscou e também a nossa querida D-Edge, em São Paulo.

Inspirado por esta vida na estrada, Konrad tem dado ênfase a produções originais, como “Trophic Cascade” pelo enigmático selo “Visionquest”, e “Siamese Connection” com o produtor veterano Martin Buttrich, do selo “Rumors”, de Guy Gerber. Muita coisa ainda estar por vir em 2016 para o produtor.




< Voltar